Setores de Moda e Acessórios, Eletrônicos, Acessórios Automotivos, Casa e Decoração puxam melhor desempenho do período

Após o boom das compras online no início e durante a maior parte da pandemia, a intenção de compra dos brasileiros pelo comércio eletrônico no primeiro trimestre de 2021 deve ser de 92,8%, com queda de 0,7 pontos percentuais (p.p.) em relação aos últimos três meses de 2020. Os dados são da Intenção de Compra na Internet, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR).

Para o economista e presidente do IBEVAR, Claudio Felisoni de Angelo, a intenção de compra é significativa, mas a queda pode indicar o início de uma desaceleração de consumo para o ano. “Ainda temos um cenário muito incerto em relação à economia e plano de vacinação. Além da extensão da pandemia e suas consequências, outros fatores também contribuem para que o brasileiro evite gastos, como o término do auxílio emergencial, a taxa de desemprego, a queda da renda, por exemplo” , avalia.

Entre as categorias que apresentam maior intenção de compra estão Moda e Acessórios (38%), Eletrônicos (37%), Acessórios Automotivos (36%), Casa e Decoração (35%), Cosmético e Perfumaria (34%) e Eletrodomésticos (33%). O estudo revela ainda que a maioria dos brasileiros pretende gastar entre R$ 101 e R$ 250 nesses setores, com exceção para Acessórios Automotivos, com pretensão de gasto entre R$ 251 e R$ 500, e eletrônicos e eletrodomésticos, que puxam a maior disposição de despesa, entre R$ 1.001 e R$ 2.500. Mais da metade deve parcelar as compras no cartão de crédito.

De acordo com os dados, itens essenciais, em alta até então, não serão o foco de consumo neste trimestre. Saúde deve reter 21% da intenção e Alimentos e Bebidas apenas 1,8%, com média de gastos entre R$ 101 e R$ 250.

Segundo o levantamento do IBEVAR, as categorias que devem apresentar desempenho fraco são Joalheria, Flores, Cestas e Presentes (4%), Artes e Antiguidades, Música Digital e Fotográfica (3%), Instrumentos musicais e CDs/DVDs (2%) e Itens para Bebês (1%).

“O auxílio emergencial, que terminou em dezembro, minimizou o impacto negativo da crise e fez com que muitos brasileiros pudessem comprar durante 2020. Neste início de ano, sem o auxílio, é espera queda na intenção de compra”, conclui Felisoni.

Sobre o IBEVAR

O IBEVAR – Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo – é uma instituição sem fins lucrativos, que se propõe a produzir conteúdo no setor de Varejo & Consumo, promover networking entre executivos que atuam nessa área e gerar negócios entre os participantes. O IBEVAR atua em conjunto com o PROVAR/FIA no desenvolvimento dos executivos de varejo. www.ibevar.org.br

Fonte: IBEVAR