Em meio à pandemia de COVID-19, o varejo ampliado deve cair 5,62% em abril, ao passo que segmentos alimentícios, farmacêuticos e de artigos de uso pessoal e doméstico devem crescer. É o que apontam os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar) em sua Projeção de Vendas do setor de varejo. Confira a nota publicada pela Coluna do Broadcast, do jornal O Estado de S. Paulo.

Sofrimento
O varejo ampliado, que inclui material de construção e automóveis, deve cair 5,62% em abril em relação a março, de acordo com o Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar). Já sobre o mesmo período de 2019, a previsão é queda de 16,94% nas vendas.

Sem gás
O estudo indica retração maior nas categorias “combustíveis e lubrificantes” (-40,82 p.p); “materiais de construção” (-30,16 p.p); “veículos, motos, partes e peças” (-16,04 p.p); “móveis e eletrodomésticos” (-9,39 p.p) e “tecidos, vestuários e calçados” (-9,14 p.p).

Para frente
Já os segmentos que devem crescer são “outros artigos de uso pessoal e doméstico” (9,2 p.p); “artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos” (8,28 p.p); “hipermercados, supermercados, alimentícios, bebidas e fumo” (2,21 p.p).

Sobre o IBEVAR
O IBEVAR – Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo – é uma instituição sem fins lucrativos, que se propõe a produzir conteúdo no setor de Varejo & Consumo, promover networking entre executivos que atuam nessa área e gerar negócios entre os participantes. O IBEVAR atua em conjunto com o PROVAR/FIA no desenvolvimento dos executivos de varejo. www.ibevar.org.br

Fonte: Coluna do Broadcast, O Estado de S. Paulo, 26 de abril de 2020